Rádio Cenecista de Picuí

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Mulher doa leite suficiente para alimentar 400 bebês após superar estresse pós-parto

Na primeira gravidez, Ângela não conseguiu amamentar filha. Após segundo filho, já doou mais de 40 litros de leite em Campina Grande
Foto: Ângela Richelly/Arquivo Pessoal
Ângela Richelly, que já doou leite materno suficiente para alimentar 400 bebes, amamenta filho recém-nascido na Paraíba
Em nove meses, Ângela Richelly doou leite materno suficiente para amamentar aproximadamente 400 recém-nascidos no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea), em Campina Grande. Após o nascimento do filho Felipe, ela doou mais de 40 litros de leite e superou o estresse pós-parto da primeira gestação, quando teve dificuldades para amamentar a primeira filha.


"Eu tive estresse pós-parto e não conseguia amamentar. Foi um período muito ruim. Desta vez eu me surpreendi com tanto leite e resolvi ajudar os outros bebês", declarou a operadora de caixa.

De acordo com a coordenadora do Banco de Leite Humano do Isea (BLH), Alane Tavares, o banco arrecada cerca de 100 litros de leite por mês somando todas as doadoras. Por causa da sua doação, Ângela foi escolhida madrinha da Semana Mundial de Aleitamento Materno em Campina Grande, lançada na terça-feira (1º).
 
Doação do leite de Ângela começou depois que o segundo filho dela, Felipe, nasceu em Campina Grande (Foto: Ângela Richelly/Arquivo Pessoal)
Volume de doação ainda pode aumentar
O recorde de doação de leite materno ainda pode aumentar, já que Ângela continua amamentando o seu bebê. "Uma vez por semana a equipe do hospital vem aqui em casa recolher o leite. Só vou parar de doar quando não tiver mais nada", promete Ângela. 

Ângela Richelly é mãe de um casal de crianças, ambos nascidos no Isea: Tatiana, de 8 anos, e Felipe, que tem nove meses. O marido dela, José Idorlan Xavier, ficou bastante feliz com a possibilidade de ajudar outras crianças. "Eu incentivei minha esposa a continuar doando. Essa atitude é louvável e todas as mães deveriam fazer isso. Às vezes eu ia com ela para o banco de leite e fazia massagens para desfazer os nódulos", revelou José.

G1 PB

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”