Rádio Cenecista de Picuí

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Promotor bloqueia recursos do Estado para assistência a menina com doença rara, na PB

Segundo o promotor Lean Matheus de Xerez, R$ 2 mil mensais vão ser bloqueados e destinados exclusivamente para atendimento a Jamilly Miranda
Reprodução/Facebook/Jamilly Guerreira
Jamilly Miranda
O promotor Lean Matheus de Xerez, da Promotoria de Saúde de Cajazeiras, determinou nesta quinta-feira (6) bloqueio de recursos mensais do Estado para custeio da alimentação especial e de medicamentos para a menina Jamilly Miranda, que sofre de encefalopatia metabólica decorrente de acidúria glutárica tipo I.


A doença de Jamilly Miranda é considerada rara e caracterizada pela acumulação e excreção na urina de elevadas quantidades de diferentes ácidos orgânicos, alguns são tóxicos para as células. Além disso, a doença afeta o metabolismo e o cérebro, incapacitando o paciente de ter uma vida normal.

Segundo o promotor, mensalmente, cerca de R$ 2 mil vão ser bloqueados para a compra de alimentação e alguns medicamentos, como o caso de um leite especial que custa R$ 1.680 por lata.

“Eu determinei o bloqueio dos valores diretamente na conta do Estado para garantir a compra dos alimentos e medicamentos indispensáveis a manutenção da saúde de Jamilly”, afirmou o promotor ao Portal Correio.

O pai de Jamilly, o vendedor autônomo Flávio de Assis, estava acorrentado à sede da 9º Gerência Regional de Saúde em Cajazeiras desde a tarde de segunda-feira (3), até a madrugada desta quinta, em protesto contra a demora na entrega dos medicamentos e do leite pela Saúde do Estado.

Entenda o caso
Jamilly Miranda é portadora de encefalopatia metabólica decorrente de acidúria glutárica tipo I, que é caracterizada pela acumulação e excreção na urina de elevadas quantidades de diferentes ácidos orgânicos, alguns são tóxicos para as células.

A doença foi descoberta em Jamilly aos nove meses de idade, quando ela passou a sofrer com perda de controle do corpo, falta de sustentação convulsões e paradas cardíacas, além de internações em diferentes hospitais do estado.

Atualmente, Jamilly necessita de quatro latas mensais de um leite especial, que custa mais de R$ 1,6 mil cada lata, além de outro tipo de leite, diversos medicamentos e alimentação específica. Os pais da menina mantêm uma página no Facebook para divulgar informações sobre Jamilly Miranda.

Halan Azevedo – Portal Correio

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”

Nenhum comentário:

Postar um comentário