Rádio Cenecista de Picuí

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Amigos formam banda para arrecadar dinheiro e comprar bebidas no São João

Grupo formado coloca chapéu no chão e arrecada R$ 400 no Parque do Povo
Foto: Kamylla Lima/G1
Amigos 'passam o chapéu' para arrecadar dinheiro para pagar a bebida no Parque do Povo, em Campina Grande
Eles são amigos com profissões diferentes e habilidades instrumentais variadas. Para se divertir e conseguir dinheiro para comprar bebida, os oito colegas se reuniram e formaram uma banda, a Rebote. No Parque do Povo em Campina Grande, no Agreste da Paraíba, eles colocaram um chapéu no chão e começaram a tocar forró na cidade cenográfica. Entre trocados e moedas, em poucas horas eles haviam arrecadado R$ 400.


Com faixa etária entre 25 e 35 anos, as profissões dos forrozeiros variam de advogado, engenheiro, executivo de vendas e artista plástico. Nenhum deles tira a renda da música, a não aquela destinada para a bebida. "A única pretensão de tocar na rua é arrecadar dinheiro para comprar bebida. Só hoje foram R$ 400. A gente paga, compra bebida, dá dinheiro ao povo. É tudo muito louco, muito cultural", contam.

A iniciativa deles no Parque do Povo começou na cidade na sexta-feira (23) e seguiu até o domingo (25). Pela primeira vez em Campina Grande, o grupo disse que decidiu visitar a cidade do Maior São João do Mundo para expandir o Nordeste. Sobre as namoradas, enquanto uns disseram que haviam deixado as amadas em casa, outros afirmaram em uníssono que estavam solteiros.

Todos os integrantes são do Recife, capital de Pernambuco, e contam que os ensaios da banda acontecem nas ruas e as apresentações oficiais também. Para eles, o palco é a rua. "[A gente] sempre se reúne para interagir e brincar. Nosso foco é para se encontrar para tocar informalmente. É mais por diversão, confraternizar entre os amigos".

No repertório, os oito integrantes - que se conheceram por meio de amigos em comum e a partir das habilidades musicais decidiram formar a banda - dizem que tocam música boa. As canções variam de Luiz Gonzaga a Wesley Safadão, mas eles garantem que o público curte mesmo o xote para dançar coladinho.

Kamylla Lima - G1 PB

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”