Rádio Cenecista de Picuí

terça-feira, 30 de maio de 2017

Setenta casais indígenas participam de casamento coletivo nesta quarta, na Paraíba

Segundo a defensora pública Rosário Lima, muitos casais já vivem juntos, mas não tinham condições de formalizar a união
Divulgação
Casal Robson Cassiano e Marilene Vérima
Setenta casais indígenas das aldeias Potiguara, localizadas no Litoral Norte do estado, vão participar de um casamento coletivo promovido pela Defensoria Pública da Paraíba, às 10h desta quarta-feira (31), na unidade do Sesi da cidade de Rio Tinto.


Vão participar do casamento coletivo índios das aldeias Lagoa Grande, Jacaré de São Domingos, Monte-Mor, Três Rios, Galego, Tramataia, Grupiuna, Jacaré de César, Tracoeira, Ybykuara, Akajutybiro e São Francisco.

"Esse casamento coletivo dimensiona nossa disposição em dar a maior amplitude possível à atuação da Defensoria Pública junto às famílias, assegurando-lhes a inclusão social e promovendo o fortalecimento dessa instituição, cuja unidade é essencial na organização da vida em sociedade”, afirmou a defensora pública-geral da Paraíba, Madalena Abrantes.

Segundo a defensora pública Rosário Lima, que atua há 16 anos na Comarca de Rio Tinto e está à frente da realização do casamento coletivo indígena, muitos casais já vivem juntos, mas não tinham condições de formalizar a união.

“O casamento coletivo tem como objetivo regularizar a situação civil de moradores indígenas das 32 aldeias localizadas nos municípios de Marcação, Baía da Traição e Rio Tinto e que há muito convivem em constituição familiar. Com a oficialização do matrimônio, os casais podem resolver pendências previdenciárias e ter acesso a pensões, aposentadorias, entre outros benefícios”, disse a defensora Rosário Lima.

Portal Correio

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”

Nenhum comentário:

Postar um comentário