Rádio Cenecista de Picuí

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Professores paralisam mais uma vez em NP; classe pode acionar justiça para garantir adequação do piso

O não cumprimento da Lei do Piso em Nova Palmeira desencadeou um impasse entre a gestão e os professores que já rendeu duas paralisações
Foto: Janiel Dantas/SINPUC
Segunda paralisação ocorreu nesta quarta-feira (3)
Em mais uma paralisação realizada nesta quarta-feira (3) em Nova Palmeira, os professores da rede municipal resolveram manter a proposta enviada à Secretaria de Educação para o cumprimento da Lei 11.738/2008, que institui o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica de todo o país.


“Manteve-se a paralisação, como já tinha sido encaminhada anteriormente. Foi deliberado que a negociação permanece a mesma que tinha sido deliberada anteriormente e que nenhum encaminhamento será tomado sem a presença da instituição que nos representa”, informou Ceiça Costa, secretária-geral do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Curimataú e Seridó (SINPUC).

O não cumprimento da Lei do Piso em Nova Palmeira desencadeou um impasse entre a gestão e os professores que já rendeu duas paralisações. A primeira ocorreu no dia 25 de abril. A segunda foi hoje.

Em reunião na sede do SINPUC, os professores asseguraram que, caso a administração não efetue a adequação salarial e afete o direito ao piso, o caso será judicializado.

Para o mês de junho o sindicato programou o “Dia D em defesa da manutenção dos direitos trabalhistas e efetivação dos planos de cargos, carreira e remuneração”, adiantou Janiel Dantas, secretário de Comunicação do SINPUC. Os professores querem fazer parte dos atos planejados para junho.

SINPUC

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”