Rádio Cenecista de Picuí

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Manifestantes invadem sede do Ministério da Fazenda em JP e causam depredação

Servidores do órgão deixaram o prédio, que ficou sem energia após a ação dos manifestantes, que, conforme testemunhas, permaneciam dentro das dependências até a noite desta terça
Hermes de Luna/Portal Correio 
Manifestantes ocupam sede
local do Ministério da Fazenda
Manifestantes ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e ao Movimento Sem Terra (MST) comandaram atos públicos em João Pessoa que começaram às 14h desta terça-feira (13) no colégio Liceu Paraibano, no Centro, e se dividiram em percursos pelo Parque da Lagoa e pela Avenida Epitácio Pessoa, principal via da Capital, que chegou a ficar interditada em frente à sede regional do Ministério da Fazenda, que foi invadida por cerca de 30 pessoas com rostos cobertos com panos, que quebraram vidraças no local e atearam fogo em pedaços de madeira em frente à instituição, bloqueando o tráfego de veículos.


Após a invasão, os servidores do órgão deixaram o prédio, que ficou sem energia após a ação dos manifestantes, que, conforme testemunhas, permaneciam dentro das dependências até a noite desta terça. A Polícia Militar foi chamada e três viaturas se posicionaram em frente ao prédio, mas os policiais não entraram no estabelecimento. 

A redação do Portal Correio tentou entrar em contato com a PM para saber detalhes sobre negociações, mas as ligações não foram atendidas. Agentes da Polícia Federal também compareceram ao local, mas os invasores se negaram a deixar a sede local do ministério e informaram que falariam com a imprensa sobre a ocupação nesta quarta-feira (14).

Com faixas, cartazes e palavras de ordem, os manifestantes protestaram nesta terça contra a PEC do Teto de Gastos Públicos, aprovada no Senado, e outras medidas adotadas no governo Michel Temer, como a reforma da Previdência.

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP) acompanhou os protestos e orientou motoristas quanto a desvios nos locais onde foram feitos bloqueios.

Portal Correio

Para postar um comentário:

“É livre a manifestação de opiniões, sendo vedado o anonimato”